Qual é a Cena? #2 : Telecatch

Olá pessoal! Hoje seguimos com a segunda matéria do "Qual é a Cena?". E hoje estaremos falando de um Cenário muito conhecido no nosso País, mas que também foi um dos primórdios da Luta Livre no Exterior. Estaremos falando do Telecatch!

(Mongol x Ted Boy Marino)

"AÍ GENTE, NÃO É TELECATCH, É PRO WRESTLING!"

Ultimamente eu percebo que muitas pessoas tentam "modernizar" a questão da Luta Livre. Em nosso país, muitos que começam hoje em dia, acham que o Estilo que ficou famoso no Brasil, não é Luta Livre, mas apenas um showzinho meia boca. Mas se engana quem pensa isso.

Mas de onde surgiu o "estilo" Telecatch? É simples!

O Telecatch, na verdade, nunca chegou a ser uma variação de Luta Livre. O Telecatch foi um programa televisivo de Luta Livre na extinta TV Excelsior do Rio. Promovendo as lutas sempre com Heróis e Vilões, a atração virou Febre no Brasil. 

Mantendo a tradição da "Velha Guarda", os combates eram movidos por muitas tesouras, apertos aos oponentes, e até mesmo o uso de objetos "não permitidos", como o famoso Limão nos olhos dos lutadores enquanto o Juiz era distraído, ou o mesmo fingir que nada tinha acontecido.

Ao longo do tempo, muitos ícones da Luta Livre no Brasil foram aparecendo, e este estilo da "Velha Guarda" ainda é praticado.

O mais interessante, é a interação com o público. Heróis eram aclamados, Vilões extremamente vaiados, e o público sempre sendo convencido de aquelas Rivalidades criadas nos Ringues eram verdadeiras (Muitas rivalidades, por mais da roteirização, acabaram virando realidade fora dos ringues).

Mas então por que aquela história do termo Telecatch não ser bem vindo hoje em dia pelos fãs?

A questão é, quem é fã mesmo do Cenário, sabe que as coisas mudaram. Na época do Telecatch, não existia usos abusivos de Suplex, Piledriver, Powerbomb, Cutters, Neckbreakers, entre outros golpes que hoje em dia são usados aos montes nos ringues. Naquela época só de o Publico ver um Dropkick e uma Tesoura aplicada era algo insano! Levantava o público. Não existia rivalidades entre vários lutadores, mas sim, sempre focando dois lutadores que sempre se combatiam entre Herói e Vilão.

Nem mesmo nos Estados Unidos era diferente naquele tempo. Porém, como tudo evolui, aconteceu o mesmo com a Luta Livre. Movimentos foram inventados, o estilo de luta mudou, as rivalidades mudaram. 

O Telecatch se tornou um estilo. Um nome de um programa de TV acabou tomando conta do Cenário Nacional. Se você perguntar aos seus pais, ou pessoas mais velhas, o que foi o Telecatch, eles vão assimilar a Luta Livre, e isso é comum. Do mesmo jeito que quando perguntado a um lutador, no mínimo uma vez ele assimilou seu trabalho a "WWE" ou "Telecatch".

Porém, infelizmente, com o passar dos anos, a Luta Livre deixou de ser bem divulgada pela mídia nacional. Hoje em dia os shows são Exibidos pelo Youtube, mas não foram mais televisionados faz um bom tempo.

O Telecatch ao longo dos anos criaram suas lendas da Luta Livre, incluindo nomes como Tedboy Marino, O Matador Aquiles, Mongol, Diabo Loiro, Homem Montanha, Bob Léo, Fantomas, A Múmia, Nino Mercury, Belo o Carrasco Português, Mister Argentina, entre vários outros Lutadores que deixaram sua marca.

Os fãs de hoje que são acostumados a ver a Luta Livre Norte Americana podem até pensar que o nosso país não consegue promover Luta Livre, mas lembrem-se de apenas uma coisa: Quando aqueles pensavam em pisar no ringue, os nossos já faziam Sucesso e se imortalizavam na história. Vamos parar com esse lance que Telecatch não é Luta Livre, porque eu duvido que os Modinhas de hoje se quer já foram ver uma Luta Livre do nosso cenário. Devemos respeito com aqueles que promovem até hoje este esporte em nosso país. Não fazem porque são obrigados, fazem porque amam, e acima de tudo, fazem por nós, fãs da Luta Livre.

Esse foi mais um "Qual é a Cena?" Até mais pessoal! Espero que tenha gostado!